Clicks135

Coincidência? S. Galo (Suíça) Teria Sediado um Centro de Endoutrinamento Comunista

Church Militant descobriu com exclusividade que Theodore McCarrick, mais do que líder de uma rede de predadores homossexuais, também pode ter sido treinado clandestinamente por comunistas soviéticos na Europa durante sua juventude, fazendo dele um verdadeiro implante comunista no coração da Igreja.

Através de uma fonte clandestina, Church Militant obteve informações de antigos membros do Partido Comunista que ajudaram a estabelecer uma rede secreta de centros de doutrinação e treinamento em toda a Europa após a Segunda Guerra Mundial, e suas informações implicam diretamente Theodore McCarrick.

Um pouco de história para começar: quando Stalin assumiu o controle da antiga União Soviética no início da década de 1920, ele colocou em prática planos para neutralizar a influência da Igreja Católica no Ocidente, ou mesmo destruir completamente a Igreja - tudo parte do plano para a dominação mundial do comunismo que Nossa Senhora de Fátima havia advertido em 1917.
Um elemento-chave desses planos era infiltrar nos seminários jovens que trabalhariam para minar o ensino da Igreja na área da moral.

Bella Dodd, membro do alto escalão do Partido Comunista Americano, testemunhou isso em várias ocasiões. Ela mesma afirma ter orquestrado a infiltração de 1.100 homens em seminários americanos.

Esses homens, diz ela, eram, segundo os ditames de Stalin, homens imorais, muitos deles homossexuais. O testemunho de Dodd é importante porque não só é revelada parte do plano de infiltração, mas também é exposto o elo entre o comunismo e a homossexualidade. O plano, no entanto, não se limitava aos Estados Unidos.

Com o colapso da Cortina de Ferro no final dos anos 80 e início dos anos 90, começaram a circular notícias na imprensa sobre como os seminários poloneses haviam sido infiltrados por centenas de agentes comunistas com informações de arquivos da KGB.

O fato de a Igreja ter sido tomada por dentro por décadas abalou os católicos poloneses. E a Polônia não estava sozinha. A Lituânia católica também viu sua hierarquia infiltrada por agentes soviéticos.

E a teologia da libertação foi introduzida na América Latina por agentes da KGB para minar a Igreja Católica através da ordem jesuíta.

Portanto, não é surpreendente que atividades comunistas secretas também tenham ocorrido nos Estados Unidos. A peculiaridade da operação era que os jovens de seus respectivos países eram recrutados para que não houvesse suspeitas contra eles. Por esta razão, vários centros de treinamento foram criados em vários países.

De acordo com fontes de Church Militant, um desses centros europeus foi em São Galo, Suíça, onde Theodore McCarrick residiu por volta de 1950. McCarrick era uma criança pobre cujo pai havia morrido quando ele era muito jovem e cuja mãe trabalhava duro no trabalho doméstico para sustentá-lo.

Em um artigo de 2001 no New York Times, McCarrick escreveu brevemente sobre seu tempo na Europa imediatamente após o ensino médio na cidade de Nova York, então um reduto do Partido Comunista da América.

Admitindo que ele não tinha planos para sua vida na época, ele diz que um "amigo" o convidou para ir à Suíça, onde ele ficou por um ano. Ele não deu detalhes de como uma criança pobre de Nova Iorque, sem dinheiro, acabou viajando para a Europa e ficando aqui por um ano sem meios visíveis de apoio.

Naquela época, as viagens internacionais eram principalmente para os ricos e muito caras.

É graças a James Grein, uma vítima de longa data do abuso sexual de McCarrick, que sabemos que o local exato na Suíça era São Galo, e é graças a informações de antigas fontes comunistas a Church Militant que sabemos que São Galo foi um dos centros de treinamento comunista para o recrutamento de jovens para irem aos seminários e começarem a minar a Igreja.

McCarrick disse ao New York Times que foi durante seu ano na Europa que ele descobriu sua vocação, apontando que a história da Igreja na Europa à qual ele havia sido exposto havia sido um fator motivador.

McCarrick teria sido o candidato ideal para o recrutamento soviético: um jovem sem pai, com tendências homossexuais e sem nenhuma ambição particular na vida. Ele era uma combinação perfeita para o modelo, especialmente a dinâmica homossexual que lhe permitia ser facilmente controlado por chantagem.

Ao retornar da Europa, McCarrick inscreveu-se no seminário da Arquidiocese de Nova Iorque, onde foi ordenado em 1958. Se McCarrick foi realmente recrutado como um agente soviético para minar a Igreja, ele correspondeu perfeitamente aos desejos de seus superiores.

Subindo rapidamente a hierarquia, ele espalhou confusão e mal-estar moral, doutrinal e espiritual em todos os níveis - não apenas entre suas vítimas seminaristas e outros jovens.

É interessante notar que o livro polêmico do ativista gay francês Frédéric Martel centra grande parte da atenção em McCarrick. Vale lembrar que o autor trabalhou neste livro por quatro anos, a maioria muito antes de McCarrick se tornar o nome conhecido que se tornou desde o verão passado.

Isto significa que muitos dos contatos do autor na Cúria Romana e os 40 cardeais que ele entrevistou identificaram McCarrick de uma forma ou de outra como uma figura chave.

Assumindo que McCarrick era um agente comunista, imbuído do pensamento marxista e de uma visão de mundo socialista desde sua juventude, isto explicaria muito sobre a direção que a Igreja nos Estados Unidos tomou durante sua ascensão ao poder.

A chamada ala da "justiça social" da Igreja nos Estados Unidos tornou-se dominante sob McCarrick, que desempenhou um papel fundamental para ajudar a moldá-la e orientá-la.

Além da própria igreja, McCarrick pôde usar sua influência para assegurar uma posição no governo dos EUA por três anos no Comitê Consultivo do Secretário de Estado para a Liberdade Religiosa no Exterior em 1996, sob a direção do democrata Bill Clinton.

De 1999 a 2001, McCarrick também fez parte da Comissão Americana sobre Liberdade Internacional - duas posições que lhe permitiram fazer um número impressionante de viagens ao exterior.

Em uma cerimônia de premiação, Clinton disse que a "ladainha dos países" que McCarrick visitou era mais adequada para um diplomata do que para um arcebispo, um comentário de brincadeira feito em um discurso, mas ainda assim revelador.

McCarrick assegurou o papel de enviado do Vaticano à China comunista alguns anos antes de sua decadência e é creditado com a conclusão do acordo entre o Vaticano e a China, que muitos acreditam constituir uma rendição total por parte da Igreja na China.

Estas afirmações podem nunca ser provadas, pois tal é a natureza do encobrimento e das operações clandestinas, mas elas não podem ser ignoradas. Há muitas coincidências e pontos de convergência, cujos resultados ocorrem em toda a Igreja e na cultura em geral, para serem ignorados.

McCarrick subornava regularmente e comprava os favores de vários funcionários da Cúria em Roma. Ele era um homossexual predatório e isso era bem conhecido há anos.

Ele avançou fortemente a causa da propaganda da justiça social que dominou a vida da Igreja nos Estados Unidos durante décadas - um movimento que se cobriu na linguagem do amor ao próximo, mas foi regularmente exposto por sua política de esquerda e sua associação com organizações socialistas, muitas das quais foram cisões de Saul Alinsky.

Alguns anos após a eleição de Francisco, o Cardeal Danneels da Bélgica, ele próprio um protetor da predação homossexual, gabou-se publicamente de como um grupo de clérigos socialistas se reuniu em São Galo ao longo dos anos e conspirou para eleger um papa favorável aos socialistas.

Acontece que S. Galo parece ter raízes muito mais profundas no socialismo do que se pensava originalmente e poderia ser a sede da trama para destruir a Igreja, cooptando-a através de um clero homossexual ativo treinado para tentar alcançar uma utopia comunista na Terra através da influência de longo alcance da Igreja.

Se isso for verdade, e tudo isso soa verdadeiro à luz dos fatos, o caso McCarrick precisa ser examinado com muito mais profundidade do que o mero tratamento superficial de sua redução ao estado laico.

Ele pode muito bem ter sido o homem de frente de uma infiltração comunista da Igreja nos Estados Unidos e que se estendeu ao controle do próprio Vaticano.

Fonte: Church Militant
Mater Ter Admirabilis