Clicks193
pt.news
2

Viganò: a cólera divina não impressiona Francisco

O coronavírus é uma expressão da "cólera divina", disse o arcebispo Viganò a RemnantNewspaper.com (29 de março).

Ele alertou que as recentes demandas para respeitar a "mãe terra" (Pachamama) continuam ofendendo a Deus. Viganò chama Pachamama de imunda e satânica.

Para ele, os bispos que fecham igrejas devido a temores de coronavírus são "burocratas", "executores da vontade do príncipe" e muito dispostos a sacrificar as almas para pacificar o Estado.

Ele vê Satanás por trás da suspensão dos sacramentos e considera as igrejas fechadas como outro castigo divino por profanações, como a Comunhão na mão.

Viganò observa que, mesmo antes do coronavírus, Francisco "eliminou qualquer forma de apostolado", alegando que "a Igreja não deve realizar nenhuma atividade missionária", convertendo a Igreja em uma organização não governamental.

Portanto, "só podemos fornecer comida, hospitalidade e assistência média", enquanto ninguém se importa com as almas. Esse é para Viganò, "o grande plano maçônico" para uma "única religião mundial" sem dogmas, sem cerimônias e sem Deus:

"Usar igrejas como albergues, na presença de prelados presunçosos que passam servindo pizzas ou costelinhas de porco com um avental sobre suas vestimentas eclesiásticas, significa profaná-las.

Viganò também encontra uma "heresia flagrante", uma "apostasia muito grave" e uma "blasfêmia terrível" na declaração de Abu Dhabi de Francisco:

"Dizer que Deus quer ser adorado como algo diferente de como Ele se revelou significa que a Encarnação, a Paixão, a Morte e a Ressureição do nosso Salvador são completamente insignificantes".

Fotografia: Carlo Maria Viganò, #newsWxbutmifgh

Daniel Pablo Sheng
assistência médica*
Dominus Vobiscum.
“O ponto principal do cristianismo era o seguinte: que a natureza não é nossa mãe: a natureza é nossa irmã. Podemos nos orgulhar de sua beleza, pois temos o mesmo pai; mas ela não tem autoridade sobre nós; temos que admirar, mas não imitar. Isso dá ao prazer tipicamente cristão nesta terra um estranho toque de leveza que é quase frivolidade. A natureza era uma mãe solene para os adoradores de …More
“O ponto principal do cristianismo era o seguinte: que a natureza não é nossa mãe: a natureza é nossa irmã. Podemos nos orgulhar de sua beleza, pois temos o mesmo pai; mas ela não tem autoridade sobre nós; temos que admirar, mas não imitar. Isso dá ao prazer tipicamente cristão nesta terra um estranho toque de leveza que é quase frivolidade. A natureza era uma mãe solene para os adoradores de Ísis e Cibele. A natureza era uma mãe solene para Wordsworth ou Emerson. Mas a natureza não é solene para Francisco de Assis ou para George Herbert. Para São Francisco, a natureza é uma irmã, e até uma irmã mais nova: uma irmã pequena e dançante, da qual tanto se riam quanto se amavam. ” - GK Chesterton