pt.news
146

"Todos nós somos fundamentalmente bons": Francisco volta a contradizer Cristo

Num outro excerto da sua entrevista de 19 de maio a Norah O'Donnell ("60 Minutes"), Francisco, que não confia em ninguém, afirmou que "as pessoas são fundamentalmente boas".

Contradizendo Cristo (Mc 10,18 "Ninguém é bom senão Deus") e a realidade, Francisco tagarelou: "Somos todos fundamentalmente bons. Sim, há alguns vilões e pecadores, mas o coração em si é bom".

Com a mesma incompetência, Francisco falou depois sobre a maternidade de substituição, dizendo que não é autorizada "no sentido estrito do termo" [= permitida].

Tentando esquivar-se ao problema, disse depois: "Por vezes, a barriga de aluguer tornou-se um negócio, e isso é muito mau. É muito mau". Mas O'Donnell insistiu que a barriga de aluguer é por vezes "a única esperança". Francis respondeu que "pode ser" e acrescentou que "a outra esperança é a adoção. Eu diria que, em cada caso, a situação deve ser considerada com cuidado e clareza, consultando o médico e depois também o moral".

E "penso que há uma regra geral nestes casos, mas é preciso ir a cada caso em particular para avaliar a situação, desde que o princípio moral não seja contornado". Mas não quis ou não foi capaz de apresentar esses "princípios morais".

Sobre os casos estatisticamente muito raros de abusos sexuais na Igreja, Francisco, que acabava de afirmar que "somos fundamentalmente bons", torna-se de repente intransigente e impiedoso: "Não há tolerância. Se há um caso de um consagrado ou consagrada que abusa, toda a força da lei recai sobre eles. Houve um grande progresso neste domínio".

Mas isso não passa de hipocrisia. Na realidade, quando os seus amigos estão envolvidos em tais abusos, Francisco não só tolera como protege os seus amigos do castigo, como é o caso do Padre Marko Rupnik e do Bispo Zanchetta.

Falando sobre a guerra em Gaza, Francisco disse que se pode criticar ambos os governos: "Pode criticar o que quiser, mas não pode ser 'anti' um povo. Qualquer 'anti' é sempre mau... anti-palestiniano ou antissemita". Evidentemente, não sabe que os palestinianos são semitas.

Tradução de IA