pt.news
240

Francisco: União Europeia no Natal "como na ditadura nacional-socialista"

Não podemos condenar o arcebispo Aupetit de Paris, disse Francisco na coletiva de imprensa de 6 de dezembro, durante seu voo de Atenas a Roma.

Na quinta-feira, Francisco aceitou a renúncia de Aupetit após relatos de um relacionamento “ambíguo” com uma mulher. Agora ele perguntou: “O que Aupetit fez de tão ruim para pedir sua renúncia? Me respondam".

Francisco comentou que não aceitou a renúncia de Aupetit "no altar da verdade, mas no altar da hipocrisia", acrescentando que "Se não sabemos, não podemos condenar. Quem sabe? Feio, não?”

Houve uma violação do sexto mandamento, mas "não totalmente", disse ele, explicando que as acusações eram sobre "pequenas carícias e massagens". Francisco acrescentou que "isso é um pecado, mas não é dos mais graves, não é?" e que o escândalo destruiu a reputação de Aupetit: "Ele não será mais capaz de governar".

Francisco disse ainda que receberá um convite oficial da Igreja Ortodoxa Russa para um segundo encontro com o Patriarca Kirill. O primeiro encontro foi em Havana, Cuba, em 2016.

Ele então chamou de “anacrônico" um documento recente da UE tentando cancelar o Natal e impor uma ideologia mais homossexual, dizendo que “na história muitas, muitas ditaduras, tentaram fazer isso; pense em Napoleão, pense na ditadura nazista, na ditadura comunista - é uma forma de um secularismo diluído”.

Além disso, Francisco repetiu o mito de que os ataques suicidas de 22 de março de 2016 em Bruxelas, Bélgica, foram preparados por "filhos de migrantes em guetos, não integrados". Na verdade, um deles foi para uma escola secundária católica, outro apareceu em um documentário sueco sobre a integração bem-sucedida dos migrantes na sociedade.

#newsQnmhjpwncv