Morto aos 33 anos: "Olha, pai, eu não mudei, só estou vestido de castanho"

A Irmã Belén de la Cruz tinha 33 anos quando morreu de cancro dos ovários em 2018 no convento carmelita de San Calixto (Córdoba), em Espanha.

Antes de entrar para as Carmelitas em 2005, foi aluna do Colégio Universitário de Estudos Financeiros (CUNEF) de Madrid e campeã de golfe da Andaluzia.

Já em criança, era muito boa no desporto. Adorava o ciclismo, o futebol e o golfe, mas não gostava de competições.

Um mês antes de entrar para o convento, ganhou um prémio de golfe em Puerto de Santa María, mas na fotografia com todos os vencedores, faltava ela.

A fama da Irmã Belén começou depois da sua morte, disse o seu pai, Estanislao Pery Paredes, ao ElDebate.com (5 de junho).

Por exemplo: Mais de 600 pessoas compareceram ao seu funeral numa tarde chuvosa de sábado. A maioria ficou do lado de fora da igreja, molhando-se.

Tinha 19 ou 20 anos quando escreveu a sua primeira carta à prioresa de San Calixto, que não lhe facilitou a vida por ser tão jovem. Tinha 21 anos quando entrou.

Os primeiros meses foram muito difíceis para ela. Quatro semanas depois da sua entrada, escreve uma carta aos seus pais: "Estaria a enganar-vos se dissesse que não me estava a custar nada".

Mas com o passar do tempo, apercebeu-se de que esta era a sua vida. Sentia-se em casa, feliz, mas não mudou radicalmente no convento. Costumava dizer ao seu pai: "Olhe, pai, sou a mesma, mas vestida de castanho".

No convento, a sua ascensão é muito rápida. Primeiro, é colocada na janela giratória, por detrás da qual as irmãs da entrada falam com os visitantes sem serem vistas. Depois, passa a ser a terceira na hierarquia, encarregada da manutenção do convento e em contacto com os jardineiros, o canalizador e o eletricista.

Mais tarde, sendo a mais jovem do convento, foi nomeada mestra das noviças e depois sub-priora.

A 14 de abril de 2017, foi-lhe diagnosticado um tumor nos ovários. Durante os seus retiros com as freiras, a Irmã Belén esforça-se por esconder o seu sofrimento.

Uma vez, durante uma sessão de quimioterapia, o médico quis saber porque é que a Irmã se chamava "de la Cruz" (da Cruz).

Ela responde-lhe: "Porque a cruz é uma bênção. O que é que faz um padre quando dá uma bênção? Faz o sinal da cruz. O que é que nós fazemos quando nos abençoamos? Faz o sinal da cruz. Tudo está na cruz. Nela está a salvação e a paz".

Quando morreu, a 5 de abril de 2018, menos de um ano após o seu diagnóstico, algumas irmãs confessaram que não se tinham apercebido de que "ela estava tão doente".

Tradução de IA

11:26
Marcia Andreia Guimarães shares this
90
🙏