pt.news
478

Acusações contra um famoso artista jesuíta

O mundano jesuíta esloveno e artista altamente condecorado, padre Mark Rupnik, de 68 anos, radicado em Roma desde 1991, foi acusado por uma consagrada de violência psicológica e sexual, escreve SilereNonPossum.it (1º de dezembro).

• Rupnik realizou os mosaicos na Capela Redemptoris Mater (Palácio Apostólico), nas basílicas de Fátima e San Giovanni Rotondo, na fachada do Santuário de Lourdes, na Catedral de Madri, no Santuário de João Paulo II em Cracóvia, Santuário de João Paulo II em Washington, e em muitas outras igrejas importantes.

• Atualmente trabalha no Santuário Nacional de Aparecida em São Paulo.

• Rupnik é diretor do Centro Aletti, inaugurado pessoalmente por João Paulo II em 1993, e pelo qual Francisco presidiu uma Eucaristia no Vaticano em 2016 para o centro administrado por um grupo de jesuítas e um Instituto Secular feminino. O centro oferece vida comum, estudos teológicos e artísticos, e publica livros.

• Já em 1995, uma consagrada denunciou ter sofrido “abuso psicofísico-espiritual” por parte de Rupnik, que “me obrigou, com pressões e chantagens, a fazer coisas que denunciei no fórum apropriado”.

• "Depois da minha primeira reclamação, ninguém me ajudou, nem a Comunidade, nem o arcebispo de Ljubljana, nem o diretor espiritual do P. Rupnik [provavelmente: Cardeal Tomáš Špidlík, +2010], com quem conversei e tentei explicar o que havia acontecido".

• A mulher foi chamada a depor, mas não foram tomadas providências.

• Rupnik era confessor e diretor espiritual em sua comunidade, que foi secretamente colocada sob um comissário em 2021, que apresentou o resultado em janeiro de 2022.

• Em 3 de janeiro de 2022, Francisco recebeu Rupnik.

• Em maio de 2022, Rupnik pregou um retiro ao clero em Larino, Campobasso.

#newsCccjieraaz