Clicks120
pt.news

Schneider tem a prova: nem uma única infecção por meio da recepção da Sagrada Comunhão

É um abuso de poder episcopal impor a obtenção da Comunhão com a mão sob o pretexto da Covid-19, disse o bispo Schneider a Mia Barhouche em uma entrevista em francês durante uma recente visita ao Líbano (vídeo abaixo).

Schneider enfatiza que pegar não é "mais seguro" do que receber a Sagrada Comunhão e não protege melhor contra uma infecção por vírus, pelo contrário. No Cazaquistão, os bispos permitiram apenas receber a Sagrada Comunhão: “Ninguém foi infectado até agora. Nem um único caso de contaminação”. Schneider chama isso de "demonstração empírica" e um "fato inegável".

Forçar os fiéis a agarrar a Comunhão com as mãos é uma tragédia espiritual, perigosa, minimalista e “muito próxima da dessacralização”, explica Schneider, “não podemos tratar o nosso Deus assim”. Ele ressalta que pegar a Comunhão faz com que partículas da hóstia caiam no chão e sejam pisoteadas [o que É uma dessacralização].

Além disso, Schneider observou que as vacinações contra a Covid-19 (20:00) estão todas contaminadas com linhagens celulares de crianças abortadas, constituindo a base para uma indústria fetal horrível. Portanto, “não é possível tomar esta vacina”. Schneider também notou que as vacinas não são testadas o suficiente e podem ser perigosas para a saúde.

Traditionis custodes (38:00) de Francisco é, para Schneider, "trágico", uma "ferida", "injusto" e tão drástico que acabará por suprimir a Missa Romana. Ele nota que, nos primeiros dias, alguns bispos proibiram completamente a Missa Romana em suas dioceses. No entanto, Schneider espera que a Missa continue nas catacumbas e seja vitoriosa, porque é uma obra de Deus.

#newsVboppdnclr