pt.news
223

Ideólogo-chefe de Francisco: abençoar o pecado é "pastoralmente criativo"

Nenhum homossexual ativo pode ser privado da "bênção de Deus", disse Monsenhor Philippe Bordeyne, de 62 anos, presidente do Pontifício Instituto João Paulo II Contra o Casamento e a Família, a La-Croix.com (18 de novembro).

O instituto foi fundado por João Paulo II para promover a família, mas Francisco o transformou em seu oposto. Bordeyne admite que "abençoar" uniões homossexuais seria "praticamente" como a bênção de um casamento, mas ele insiste que "pessoas" podem ser abençoadas de qualquer maneira. Porém, o problema começa quando “as pessoas” querem ser abençoadas como homossexuais, adúlteros, pedófilos, racistas, etc.

Bordeyne afirma erroneamente que “uma bênção nunca pretende validar um estilo de vida”. Uma bênção de matrimônio é exatamente isso.

“O fato de os homossexuais pedirem à Igreja que os abençoe nos convida a ouvi-los, a entrar na complexidade de sua história e de sua situação”, diz ele, refugiando-se na poesia barata. A Igreja abençoa todo homossexual depois que ele se arrepende e faz uma boa confissão.

Bordeyne chama sua ideologia de “realista”, como se a ilusão do pecado fosse real.

Ele lamenta que “nem todas as pessoas que não podem se casar têm capacidade para viver sozinhas” e pergunta: “Elas não têm direito ao apoio da Igreja em seu caminho de fé e conversão?” A realidade é que muitas pessoas que “não têm capacidade de viver sozinhas"devem fazê-lo. O estilo de vida homossexual é uma receita para acabar na solidão.

Bordeyne insiste que "devemos ousar ser pastoralmente criativos" - como se curvar-se à propaganda homossexual fosse uma ousadia. A pastoral que promove o pecado não é "criativa", mas destrutiva.

#newsJisqdlwcml