Bispos austríacos: A falta de falsas diaconisas é um problema que põe em risco a vida da Igreja

Um relatório sinodal de 15 de maio dos bispos da Áustria apoia fortemente as "diaconisas sacramentais", que não podem existir.

Os bispos austríacos afirmam ter tido "boas experiências" com mulheres em posições de liderança, embora toda a gente saiba que a inveja, a pressão, o paternalismo, o carreirismo, etc. são galopantes.

Para os bispos, estes "cargos de direção" continuam a ser apenas "uma resposta parcial". Falam de um "problema das mulheres" ("enorme perda de credibilidade", "ameaça maciça à missão da Igreja") e afirmam que ele seria resolvido de forma satisfatória pela "diaconisa sacramental" [inválida].

"Enquanto o sacerdócio das mulheres é esporadicamente mencionado, há uma voz forte, apoiada por maiorias nas dioceses (incluindo a direção diocesana, diáconos de Linz), a favor da admissão de mulheres ao diaconato". Os prelados afirmam mesmo que a missão da Igreja é "impossibilitada" pelo facto de as mulheres não poderem ser diáconas.

Este "ministério, conferido sacramentalmente pela imposição das mãos, deve ser aberto às mulheres", exige o relatório: "Os que trabalham na vinha do Senhor precisam também dos instrumentos da ação sacramental".

Tradução de IA