Clicks135
pt.news

Escândalo Sloan Avenue: Linha do tempo de eventos altamente confusos

1. 2014: Vice-secretário de Estado, Angelo Becciu, investe 147 milhões de euros (outras fontes: 200 milhões de euros) no fundo de Raffaele Mincione, que possui uma propriedade da Sloan Avenue em Londres.

2. Mincione continua perdendo dinheiro. Portanto, Becciu contrata o financista Gianluigi Torzi para se livrar dele e comprar toda a propriedade, incluindo uma hipoteca de 125 milhões de libras.

3. 2018: Torzi transfere a propriedade, no entanto: (1) paga demais a Mincione (40 milhões de euros) e (2) transfere a propriedade para sua própria empresa, Gutt Sa. Depois, ele pede ao Vaticano para colocá-lo no comando da administração da propriedade, porque, até agora, ele havia trabalhado de graça. O Vaticano se recusa.

4. Em vez disso, o Vaticano planeja substituir Torzi por Enrico Crasso, outro financista. Torzi se sente usado pelo Vaticano.

5. Assim, Torzi recorre à “chantagem". Ele usa seu controle sobre Gutt Sa - da qual o Vaticano “não sabe nada” - para eliminar da administração o representante do Vaticano, Fabrizio Tirabassi.

6. Encurralado, Tirabassi e monsenhor Mauro Carlino, ex-secretário de Becciu, propõem 9 milhões de euros a Torzi - supostamente "sem qualquer autorização" - para recuperar a propriedade. No final, o Vaticano paga 15 milhões de euros.

7. Agora, Tirabassi e Carlino estão incriminados. No entanto, isso parece ser um sacrifício de peões para proteger os realmente responsáveis (Peña Parra, Becciu, Parolin, Francisco). Carlino disse aos investigadores que agiu de acordo com as instruções que vinham de cima (Peña Parra). Becciu também culpou seu sucessor Peña (Repubblica, 7 de junho).

Fonte: AdnKronos.com (7 de junho)

Fotografia: © Mazur, CC BY-NC-SA, #newsIalcscrlie