O “PODER” DE SÃO JORGE

O “PODER” DE SÃO JORGE

A oração aos santos na realidade é levantar o coração a Deus e pelos méritos e a intercessão dos santos, nossos irmãos, que nos precederam na fé e que nos deram exemplo, pedir a Ele que nos escute. Com todo o respeito, podemos dizer que os santos são o telefone e o serviço de correios, com os quais Deus nos escuta e nos atende.

Deus pode, na sua divina providência, atender mais e inclusive fazer milagres ou mais milagres em honra de um santo e menos em honra de outro.

Mas esse “poder” de São Jorge, mais do que o dos outros santos, sem dúvida, é mera sugestão ou coisa equivalente. Porque São Jorge, o São Jorge do cavalo e do dragão, o São Jorge dos “saravás”, não existe. É uma lenda!

Um manuscrito do século XIII e, posteriormente, um comentário de Jacques de Voragine com título e a respeito da “Lenda Dourada” imortalizaram a lenda do cavaleiro Jorge.

Na Líbia teria havido um enorme dragão, que sairia dum pântano nos arredores da cidade chamada Silene. No fim nenhum guerreiro se atrevia a enfrentá-lo, pois já muitos tinham perecido atrozmente no intento.

Todos os dias os habitantes da cidade tinham que dar ao dragão duas ovelhas. Mas, com o tempo, os rebanhos foram se acabando e em vista disso o rei mandou que cada dia fosse entregue para alimento do dragão uma jovem designada pela sorte. Um dia, porém, a má sorte caiu sobre a própria filha do rei... Em meio a grande dor, o rei acompanhava o triste cortejo que conduzia a sua jovem e encantadora filha ao encontro do monstro. À comitiva uniu-se um garboso cavaleiro chamado Jorge, que estava à procura de valentes guerreiros que quisessem formar sob suas ordens uma legião para combater os não-cristãos.

Jorge era jovem, esbelto e estava coberto com armadura, escudo e espada no cinto; com a mão direita empunhava a lança e com a esquerda o estandarte da cruz. Montado num forte e ágil cavalo branco sua figura era muito imponente.

Já estava o monstro avançando sobre a encantadora filha do rei quando Jorge teve conhecimento do que se passava. Aproximou-se valentemente. O monstro enfureceu-se, Jorge fez o sinal da cruz e lançou-se contra ele a todo galope: tão violento e certeiro foi o golpe de lança desferido que o monstro caiu urrando. Jorge, com um abraço forte e protetor, soergueu a jovem do chão e fez com que, atrás deles, arrastassem o monstro, quase inerte, para a cidade. Lá explicou ao agradecido rei e a todos os entusiasmados cortesãos e cidadãos por que ele pudera derrotar o monstro que antes matara tantos aguerridos cavaleiros: é que ele, antes de atacar, invocara com o sinal da cruz a ajuda do único Deus verdadeiro. Após obter do rei e dos cortesãos a promessa de abraçar a religião de Cristo e se fazer batizar, Jorge, com a espada, acabou com a vida do monstro e com o pesadelo da cidade.

Que tem a ver esta lenda com São Jorge? Nada. Absolutamente nada. São Jorge fora um tribuno romano que morreu mártir na perseguição de Diocleciano, no começo do século IV. A lenda do cavaleiro Jorge teve início na época das Cruzadas, provinda do Oriente, no século XIII. Trata-se de um símbolo: o cavaleiro Jorge é a personificação ideal do cruzado sem medo e sem mácula que luta contra o demônio para defender a fé cristã.

Logo a mentalidade popular identificou a atraente figura do tribuno romano São Jorge, como antes já se atribuíram ao mártir outras lendas, mitos, milagres, vida e suplícios apócrifos.

Raramente uma lenda alcança tanto êxito. Desde o século XIII até nossos dias, tanto no Oriente como no Ocidente, ininterruptamente, surgiram obras de arte tão numerosas quanto variadas.

A Igreja Católica cultua São Jorge, o mártir, embora ultimamente tenha sido suprimida a celebração oficial que se fazia a 23 de abril – entre outros motivos para evitar a confusão generalizada. Sob o nome de São Jorge os umbandistas cultuam o lendário e inexistente Jorge do dragão.

Os antigos escravos vendo as estátuas do inexistente São Jorge, pelo fato de representarem um guerreiro atacando uma fera, o identificaram no Rio de Janeiro como Ogum, orixá ou deus das guerras, das demandas e do ferro, e na Bahia como Oxóssi, orixá ou deus da força.

Por Luiz Roberto Turatti, aluno do CLAP – Centro Latino-Americano de Parapsicologia, dirigido pelo revolucionário Prof. Dr. Padre Oscar González-Quevedo, S.J.

ESSE ARTIGO JÁ FOI PUBLICADO EM:

“Tribuna do Povo”, Araras, SP (Brasil), sábado, 30/04/1994;

“Opinião Jornal”, Araras, SP (Brasil), sábado, 18/10/1997;

“Boletim de Parapsicologia – Padre Quevedo”, n.º 29;

USINA DE LETRAS (usinadeletras.com.br/exibelotextoautor.php?user=TURATTI).

----------------------------------

“Fora da VERDADE não há CARIDADE nem, muito menos, SALVAÇÃO!” (Luiz Roberto Turatti).

#Charlatanismo #CLAP #Crendice #Curandeirismo #Demônio #EQM #Espiritismo #ETs #ExercícioIlegaldaMedicina #Exorcismo #Fantástico #Hipnose #IssoNonEcziste #Jesuíta #Mágica #Médium #Milagre #OEPNET #Óvnis #PadreQuevedo #Parapsicologia #Reencarnação #Religião #Superstição #TCI #Truque #TVP #Vaticano.