Papa Frociesco sente o cheiro de "ar homossexual" no Vaticano

Há um "perigo de ideologias" na Igreja, disse Francisco, ele próprio muito ideológico, no dia 11 de junho, durante um encontro com 200 padres romanos na Universidade Salesiana de Roma.

De acordo com um anúncio anterior, eram esperados 500 padres. Mas não é segredo que o clero romano está farto dos disparates de Francisco.

A Ansa.it refere que Bergoglio voltou várias vezes ao tema da homossexualidade, que lhe é muito caro.

Disse que "há um ar de paneleirice no Vaticano", mais uma vez usando o termo italiano "frociaggine" [=paneleirice], uma expressão que não é usada por pessoas normais.

Ao mesmo tempo, disse que "se um rapaz tem tendência homossexual, é melhor não o deixar entrar no seminário: são bons rapazes, mas com essa tendência, é melhor não". Por que razão, então, o fedor do pecado homossexual ("frociaggine") permeia o Vaticano, de onde Francisco expulsa quem não lhe agrada?

Como já fez antes, Francisco recomendou o reverendo Lorenzo Milani, um homossexual de esquerda com fantasias de pederastia. Ontem, Bergoglio chamou-lhe "um grande homem, uma luz para os padres italianos".

O gabinete de imprensa mentiroso de Bergoglio no Vaticano apresentou a seguinte versão do discurso de Francisco:

"Falou do perigo das ideologias na Igreja e voltou à questão da admissão nos seminários de pessoas com tendências homossexuais, reiterando a necessidade de as acolher e acompanhar na Igreja e a indicação prudencial do Dicastério para o Clero sobre a sua entrada no seminário".

O Papa Frociesco afirmou ainda que os "tradicionalistas" "não são bons".

Imagem: Vatican Media, Tradução de IA