Clicks9K

A Missa do Futuro

Indignant Catholic
53
"Reforma ou Revolta? O Movimento Litúrgico e a Missa de Paulo VI" Um olhar minucioso dentro do movimento litúrgico do século 20 – e de períodos anteriores também! Examine as raízes do desenvolvimento…More
"Reforma ou Revolta? O Movimento Litúrgico e a Missa de Paulo VI" Um olhar minucioso dentro do movimento litúrgico do século 20 – e de períodos anteriores também! Examine as raízes do desenvolvimento da Missa de Paulo VI nesse vídeo produzido pela MMR, produtora da Roman Catholic Sacramentals Foundation, e veja como a muito tempo os inimigos da Igreja (infiltrados dentro Dela) trabalham para destruir a Liturgia da Santa Missa.
jacobini87
Sancta Communião de Rodillas é na Bouca
jacobini87 and 2 more users like this.
jacobini87 likes this.
casalbuqrq likes this.
iivari likes this.
Eliane.Felippe
Acredito que os modernistas interpretaram tendenciosamente o CVII como os protestantes fizeram e fazem com a Bíblia.
Ana Dias likes this.
Indignant Catholic
Palavras do discurso de Bento XVI ao clero romano no dia 14/Fev/2013:

Sobre o uso do LATIM na Liturgia:

Inteligibilidade não quer dizer banalidade, porque os grandes textos da liturgia – ainda que proferidos, graças a Deus, na língua materna – não são facilmente inteligíveis, precisam de uma formação permanente do cristão para que ele cresça e entre cada vez mais em profundidade no mistério, …More
Palavras do discurso de Bento XVI ao clero romano no dia 14/Fev/2013:

Sobre o uso do LATIM na Liturgia:

Inteligibilidade não quer dizer banalidade, porque os grandes textos da liturgia – ainda que proferidos, graças a Deus, na língua materna – não são facilmente inteligíveis, precisam de uma formação permanente do cristão para que ele cresça e entre cada vez mais em profundidade no mistério, e assim possa compreender. E o mesmo se diga da Palavra de Deus: se se pensa na leitura diária do Antigo Testamento, e mesmo na leitura das Cartas Paulinas, dos Evangelhos, quem pode afirmar que a compreende imediatamente só porque a leitura está na sua própria língua?

Sobre o descentralização do Poder da Igreja sobre o Papa com a proposta do colegiado dos Bispos pelo Concílio Vaticano II:

“Havia aqueles que pretendiam a descentralização da Igreja, o poder para os Bispos e depois, valendo-se da expressão «Povo de Deus», o poder do povo, dos leigos. Existia esta tripla questão: o poder do Papa, em seguida transferido para o poder dos bispos e para o poder de todos, a soberania popular. Para eles, naturalmente, esta era a parte que devia ser aprovada, promulgada, apoiada.”

Já ouvi Párocos dizendo: “O Papa manda em Roma aqui quem manda sou eu”.

E sobre a Nova Liturgia:


“E o mesmo se passava com a liturgia: não interessava a liturgia como ato da fé, mas como algo onde se fazem coisas compreensíveis, algo de atividade da comunidade, algo profano. E sabemos que havia uma tendência – invocava mesmo um fundamento na história – para se dizer: A sacralidade é uma coisa pagã, eventualmente do próprio Antigo Testamento. No Novo, conta apenas que Cristo morreu fora: fora das portas, isto é, no mundo profano. Portanto há que acabar com a sacralidade, o próprio culto deve ser profano: o culto não é culto, mas um ato do todo, da participação comum, e deste modo a participação vista como atividade. Estas traduções, banalizações da ideia do Concílio, foram virulentas na prática da aplicação da reforma litúrgica; nasceram numa visão do Concílio fora da sua chave própria de interpretação, da fé. E o mesmo se passou também com a questão da Escritura: a Escritura é um livro, histórico, que deve ser tratado historicamente e nada mais, etc.

E fechando, sobre o Concílio Vaticano II:

“Sabemos como este Concílio dos meios de comunicação era acessível a todos. Por isso, acabou por ser o predominante, o mais eficiente, tendo criado tantas calamidades, tantos problemas, realmente tanta miséria: seminários fechados, conventos fechados, liturgia banalizada…

Fonte: (link)
Indignant Catholic
Declarou infalivelmente o Papa Pio V sobre o Missal Romano por ele promulgado e publicado novamente pelo Beato João XXIII em 1962:

9- Da mesma forma decretamos e declaramos que os Prelados, Administradores, Cônegos, Capelães e todos os outros Padres seculares, designados com qualquer denominação, ou Regulares, de qualquer Ordem, não sejam obrigados a celebrar a Missa de outro modo que o por …More
Declarou infalivelmente o Papa Pio V sobre o Missal Romano por ele promulgado e publicado novamente pelo Beato João XXIII em 1962:

9- Da mesma forma decretamos e declaramos que os Prelados, Administradores, Cônegos, Capelães e todos os outros Padres seculares, designados com qualquer denominação, ou Regulares, de qualquer Ordem, não sejam obrigados a celebrar a Missa de outro modo que o por Nós ordenado; nem sejam coagidos e forçados, por quem quer que seja, a modificar o presente Missal, E A PRESENTE BULA NÃO PODERÁ JAMAIS, EM TEMPO ALGUM, SER REVOGADA NEM MODIFICADA, MAS PERMANECERÁ SEMPRE FIRME E VÁLIDA, EM TODA A SUA FORÇA.

Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus Todo-poderoso e de seus bemaventurados Apóstolos Pedro e Paulo.

Dado em Roma perto de São Pedro, no ano da Encarnação do Senhor mil quinhentos e setenta, no dia 14 de Julho, quinto de Nosso Pontificado – Pio Papa V. (Bula Quo Primum Tempore)

Disse ambígua e pastoralmente o Papa Paulo VI sobre o Novus Ordo (ou Missa Nova):

“O rito e a respectiva rubrica por si NÃO SÃO UMA DEFINIÇÃO DOGMÁTICA; são SUSCEPTIVEIS DE UMA QUALIFICAÇÃO TEOLÓGICA DE VALOR DIVERSO, segundo o contexto litúrgico a que se referem; são gestos e termos que se relacionam com uma ação religiosa, vivida e vivente, de um mistério inefável de presença divina, QUE NEM SEMPRE SE REALIZA DE UM MODO UNÍVOCO, ação que só a crítica teológica pode analisar e exprimir em fórmulas doutrinárias logicamente satisfatórias”. (Paulo VI, audiência geral de 19 de novembro de 1969, “Insegnamenti di Paolo VI”, vol. VII, p. 1123)

Os destaques são meus.
One more comment from Indignant Catholic
Indignant Catholic
Eis a confissão explicita de que o ConcílioVaticano II rompeu com aquilo que a Igreja sempre ensinou:

“(…) Significará o último concílio uma ruptura, uma revolução ou uma continuação? Se for confrontado com certas tendências do século XIX e da primeira metade do século XX, o Concílio assinala, sem dúvida, UMA RUPTURA E UM AVANÇO MUITO GRANDE” (Padre Joseph Ratzinger, Das Neue Volk Gottes – …More
Eis a confissão explicita de que o ConcílioVaticano II rompeu com aquilo que a Igreja sempre ensinou:

“(…) Significará o último concílio uma ruptura, uma revolução ou uma continuação? Se for confrontado com certas tendências do século XIX e da primeira metade do século XX, o Concílio assinala, sem dúvida, UMA RUPTURA E UM AVANÇO MUITO GRANDE” (Padre Joseph Ratzinger, Das Neue Volk Gottes – Enwürfe zur Ekkleseologie, Patmos-Verlag, Düsseldorf, 1969, trad. br. por Clemente Raphael Mahl: O Novo Povo de Deus, São Paulo, Paulinas, 1974, p. 278, destaques nossos).
casalbuqrq likes this.