Gerontocratas do Vaticano apoiam a eutanásia e a inseminação artificial

A criminalização da eutanásia "faz mais mal do que bem" e a inseminação artificial "pode ser feita".

Estas afirmações constam de um livro com um título eufemista La gioia della vita (A Alegria da Vida), elaborado por "teólogos" da Pontifícia Academia para a Vida (LaNuovaBq.it, 18 de março).

Os textos datam de um seminário da desacreditada Academia em 2021. Foram publicados no mês passado.

Os chefes da Academia consideram que é "bom" não proibir a eutanásia porque "isso poderia causar maiores danos ao bem comum e à convivência civil, exacerbando os conflitos ou favorecendo formas clandestinas [a maior parte dos assassínios são "clandestinos"] de práticas oficialmente ilegais" (página 150).

O seu livro prossegue afirmando que a inseminação artificial com o esperma do marido ("inseminação homóloga") não separa artificialmente a procriação da relação sexual, que é "em si" estéril.

"Pelo contrário, a técnica actua como uma forma de terapia que permite curar a esterilidade, não substituindo a relação sexual, mas tornando possível a procriação", escrevem na página 130.

Na vida real, o esperma é obtido através de uma masturbação moralmente condenável e os embriões são criados em laboratórios. Os embriões excedentes que constituem uma pessoa humana são congelados ou assassinados.

Tradução de IA