pt.news
306

Sem fé, sem grana: as finanças do Vaticano estão enfrentando um futuro “muito incerto”

O padre jesuíta Guerrero Alves, prefeito da Secretaria para a Economia, conversou com VaticanNews.va sobre as finanças do Vaticano. Destaques.

• O déficit orçamentário de 2021, incluindo 92 entidades, chega a apenas 3 milhões de euros [esperado: 33 milhões], mas os ativos do Vaticano corroem de 20 milhões a 25 milhões a cada ano para pagar a Cúria.

• O Governatorato (museus, gendarmeria, imóveis dentro do Vaticano) e IOR (Banco do Vaticano) não estão incluídos no orçamento.

• Existe um déficit ordinário operacional de 62 milhões de euros que apenas os bons resultados financeiros de 2021 mitigaram, deixando um déficit de 3 milhões de euros.

• As receitas continuam caindo.

• O Tribunal da Rota passou de autofinanciado a deficitário quando Francisco decidiu liberar seus serviços [disfuncionais].

• O Hospital Bambino Gesù do Vaticano tem um orçamento maior do que a Cúria Romana, mas é são, enquanto a Casa Sollievo della Sofferenza do Vaticano, em San Giovanni Rotondo, está em profundos problemas financeiros.

• O Fundo de Pensões do Vaticano não está sendo suficientemente dotado para cumprir suas obrigações futuras: “Estamos prometendo mais do que podemos pagar”, mas “ainda estamos em tempo de introduzir medidas corretivas e não traumáticas”.

• “Para o futuro, estamos enfrentando um momento muito incerto. Não temos muitas variáveis sobre as quais operar para lidar com a crise”.

• "Não podemos dizer que o tempo dos sacrifícios acabou, 2022 será um ano particularmente difícil e 2023 também".

• "Agora temos que lidar com o orçamento de 2023, que não nos permite ser muito alegres".

Fotografia: © █ Slices of Light ✴ █▀ ▀ ▀, Flickr, CC BY-NC, #newsIgbxxcvilm