Bispo provoca com "eremita" travesti

O propagandista homossexual John Stowe, que ganha a vida como bispo de Lexington, no Kentucky, "aprovou" uma mulher que se veste de homem para viver como "eremita diocesano masculino" sob o pseudónimo de "Christian Matson".

ReligionNews.com (19 de maio) refere que a Sra. Matson, de 39 anos, sofreu uma mutilação corporal em 2006.

Criada como presbiteriana, "converteu-se" ao catolicismo em 2010 e estava interessada em tornar-se membro de uma comunidade religiosa masculina, mas foi-lhe recusada a entrada nos jesuítas e noutros grupos até Stowe a aceitar como "eremita diocesana".

Em agosto de 2022, Stowe aceitou os seus "votos", que são renovados anualmente.

"A minha vontade de estar aberto a ele é porque se trata de uma pessoa sincera que procura uma forma de servir a Igreja", disse literalmente o ativista homossexual sobre Matson (Original em inglês: "My willingness to be open to him is because it (!) is a sincere person seeking a way to serve the Church.").

Matson opõe-se aos documentos do Vaticano e dos bispos dos EUA que proclamam o truísmo de que há dois sexos [e que a água é húmida]. Vive nos Montes Apalaches e, como não podia deixar de ser, trabalha no teatro local.

Stowe finge que o Vaticano pode obrigá-lo a "despedir" Matson como eremita.

Tradução de IA