"Outra bolacha": Padre impede lésbica violenta de roubar a Sagrada Comunhão

O Rev. Fidel Rodriguez, de 66 anos, foi atacado duas vezes durante a Eucaristia do passado domingo por uma mulher que mais tarde afirmou ser "lésbica".

O incidente teve lugar na Igreja de São Tomás de Aquino em St. Cloud, Florida, Diocese de Orlando. A mulher assistiu primeiro à Eucaristia das 10h00, a primeira comunhão da sua sobrinha. Ficou na fila para a comunhão, dirigiu-se ao padre mas não sabia o que fazer.

O sacerdote, apercebendo-se de que ela não conhecia o sacramento, pergunta-lhe educadamente quando foi a última vez que comungou. Ela respondeu-lhe que há muitos anos. Perguntou-lhe se se tinha confessado, ao que ela respondeu rudemente: "Não preciso de lhe explicar isso".

Uma hora mais tarde, ao meio-dia, a mulher reapareceu na igreja para outra Eucaristia, também celebrada pelo Padre Rodriguez. A mulher estava acompanhada pela sua concubina, que o padre não conhecia.

A mesma situação repete-se. A fúria apresentou-se de novo ao Padre Rodríguez e pediu para comungar. Ele perguntou-lhe se se tinha confessado entre as duas eucaristias.

A mulher ficou novamente zangada, atacando verbalmente o Rev. Rodriguez e perturbando a liturgia: "Não, não preciso de lhe dar explicações, não preciso de dar explicações, você não tem autoridade, não precisa de me julgar".

O padre responde-lhe: "Não o estou a julgar. Só lhe pergunto: confessou-se depois da outra missa para poder comungar agora? Porque se não se confessou, não lhe posso dar a comunhão".

Nessa altura, atacou fisicamente o padre, pegando no cálice para roubar uma hóstia. Nas suas próprias palavras: "Só tentei apanhar outra bolacha". Mais tarde, afirmou que o Rev. Rodriguez pegou na sua mão e mordeu-a. Na realidade, ele estava a agir em legítima defesa quando ela lhe empurrou o antebraço na cara (vídeo da KkTv-com abaixo).

O Rev. Rodriguez explicou mais tarde que a mordeu "para me defender e para defender o sacramento". Após o incidente, a mulher violenta chamou a polícia e apresentou-se como vítima, mas recusou-se a ir ao hospital (porque não havia ferimentos).

Uma vez que qualquer pessoa que se apresente como homossexual é considerada uma vaca sagrada pelos regimes ocidentais, o padre que cumpriu o seu dever foi acusado de "agressão".

Pelo menos a Diocese de Orlando emitiu um comunicado na quinta-feira apoiando os esforços do padre para defender a Eucaristia.

Tradução de IA

01:35